uma aventura no mundo interior

uma aventura no mundo interior

Joseph Haydn

Os quatro personagens deste poema-estória são figuras simbólicas que representam _ a Bailarina: o Eros, a Emoção;
o Pescador-Barqueiro: o Logos, a Inteligência; o Gato negro: a Intuição; e o Anjo: a Inspiração.

Companheiros de longas jornadas, cada qual trará do seu mundo uma resposta a seu eterno questionador: -"tem alguém aí"?



06/11/2014






Um veleiro é uma autarquia
Pequeno mundo
sem pressa

Nas estrelas-guia s
egue
ao passado, 

o Barqueiro-pescador cansado das palavras,
confia em seus olhos. 


Mas, a Bailarina não.
De seu precipício
de falas
vêm-lhe à boca a alma,
luz da lua clareando um mar
sentido.

Na noite antiga,

antes de retornar ao vento dos sonhos,
detrás do véu o Gato
espreita

um Anjo insone na clareira das velas.

Nem mesmo o nada está paralisado
Gesta o seu devir,
protege,
espera.

Oceano estendido,
fantasia.



 

31/10/2014

 
 

O mar bramia na noite desperta pelo vento
Noroeste, oh noroeste!
Onda após onda, ainda ecoam na concha do vale ao redor,
No fundo do peito se alevanta a saudade
Sem fim, é a poesia...


 

28/03/2014




O que de seguro haverá em nosso saber
tão pequeno?
uma boia vermelha lançada ao mar, imenso.


 
 


 No longe, aonde desliza a impossível calma,
alma mergulhada no azul,
 prazer desdenhando vento.
     






Amigas: as distâncias,
 impregnadas de sentimento

sem medo, e des-esperadas


 
 

No perto, as velas panejam seus legados de beleza







   
 
 

16/03/2014

 
 



Frágil janela do destino

filtra as luzes do olhar

mediadora de mundos

Por onde se criam os sonhos
e também se vão embora...




 

14/03/2014



Duras pedras, prenhes de palavras mal libertas,
Calou-se o peito, e nas marés cheias de encanto
já não se ouvia som algum além das águas.


Se vão os dias nas correntes de vento e do oceano
 
 
 


De mais silêncios nasceram outras e outras manhãs.
Se naveguei em claridades ofuscantes não as vi amanhecendo.
Calou-se a voz do marinheiro, e de sua musa só se pode ouvir o pranto.


Calou-se a poesia? E deste modo onde o amor refugiou-se?
 

 
 
 
 
Não sei dizer mais do que foi... As sem razões...
 por tudo que se perde sem querer,
como palavras desenhadas nas areias.


Da outra margem,
a vontade de viver aprenderiam?
 
 
 
 



Noite-dia ondulando,
no vai e vem da vida, morte, vida...
É tão pouco o que se tem, e ao mesmo tempo tanto.
Nem por um só instante se deixaram: saberiam.

Nos braços de seu amado a bailarina.
 
 O rumo, seu destino lhes sonhava, no coração da poesia.